Para comemorar as 200.000 casas na GuesttoGuest, nós quisemos reconhecer alguns dos nossos membros os mais proeminentes da nossa comunidade; e em algum lugar perto de Montparnasse, encontramos Monique, 65 anos; uma ex assessora de imprensa, elegante e brilhante, registrada a dois anos no nosso site. E seu namoro com a troca de casa começou mal: « *minha primeira experiência também foi a pior! *» Disse ela, rindo.

Em 400 conversas com outros membros GuestToGuest, apenas uma má experiência: a primeira

Foi para o dia 31 de Dezembro: ela queria visitar Marselha com a neta. Por acaso ela recebeu um e-mail de GuesttoGuest e voilá! Ela inscreveu-se.

«*Trocar sua casa com outras pessoas o tempo de uma viagem, isso corresponde ao meu estado de espírito, mas, com desconhecidos, é complicado encontrar datas que correspondem ». *

O sistema triangular de Guestto**Guest **(ganhar pontos por hospedagem Sr. A, e gastar pontos para apreciar a casa da Sra B) é o que lhe corresponde mais.

Com seus primeiros 500 pontos, obtidos durante a sua inscrição, Monique decidiu testar a casa de um marselhês; mas, uma vez lá, a limpeza é pobre e o mau gosto está presente em toda parte.

«*É, no entanto, permanecemos, e eu levei sobre mim própria para fazer a limpeza, e organizar o que poderia ser *».

Desde de isso, Monique tem três regras de ouro para evitar outro passo falso: tomar unicamente casas verificadas, escolher pessoas que têm uma alta taxa de resposta, e apenas contactar perfis que têm imagens. Obviamente, as notas e comentários deixados por outros membros também são bons indicadores.

«Eu tinha razão de tentar novamente, por que, posteriormente, todas as minhas experiências com GuesttoGuest* foram excelentes. Sem dinheiro, Eu vivo no luxo! *» Disse ela, rindo, «*muito satisfeitas por [suas] próprias dicas *».

Como o Verão passado, por exemplo, onde ela foi capaz de passar um mês inteiro na Côte d’Azur à beira-mar, em Saint-Mandrier, perto de Toulon, sem gastar um único euro num alojamento no auge da temporada turística.

«*Eu encontrei uma pequena casa de uma viúva de 70 anos, muito jovem de mente, numa península fora dos circuitos turísticos. Tivemos uma floresta de pinheiros correndo ao longo da praia, uma pequena feira, peixe fresco todos os dias… Roselyne emprestou-me sua casa durante uma semana, quando eu perguntei-lhe se ela conhecia um bom plano habitação para prolongar a minha estadia, ela naturalmente me disse que seus vizinhos passam muito tempo no seu barco e eles seriam muito dispostos a emprestar-me sua casa quando eles iriam para o mar. *»

De acordo com ela, a falta de dinheiro muda muito a situação. Pagar por um alojamento, e pagar por uma prestação, e temos o direito de exigir coisas.

«A falta de pagamento nos coloca em um estado de espírito diferente. Nunca esqueço que eu vá para alguém, que tenho sorte, e isso empurra-me para ter um tipo diferente de respeito as pessoas ao meu redor. Não peço nada, eu sou apenas grata por aquilo que eles querem oferecer-me».

Sua próxima viagem : a Martinica, numa casa digna de um hotel cinco estrelas, com piscina de borda infinita com vista para o oceano.

***«Nós ganhamos muito a estar na confiança, em vez da desconfiança» ***

E sua melhor experiência como anfitrião, desta vez?

«Difícil escolher, porque vemos o melhor de cada um, a cada vez. Cada experiência é uma experiência real… Sem fazer toneladas, todas foram boas à sua maneira».

A maioria das pessoas que ela acolhe são discretos ; ninguém nunca «ultrapassou », ninguém foi nunca demasiado intrusivo, demasiado atrevido. Discutimos durante o pequeno almoço, ou à noite ; e frequentemente, Monique toma seu carro, embarca seus hóspedes, e faz descobrir Paris.

«*Eu amo minha cidade. **Histórias da História, os monumentos, as anedotas ; os assassinatos, pequenos detalhes arquitetônicos dos lugares visitados. **Dizendo-lhes tudo isso, Eu me diverto ao mesmo tempo, sem me cansar *».

Para ela, receber « guests » é uma história de respeito (a privacidade alheia), de consciência (preparar o apartamento com toques de refinamento para os convidados, ter tudo impecável) mas, acima de tudo, de confiança.

«Eu tento convencer o meu vizinho de registrar-se no GuestToGuest, mas ela teme medo por seus assuntos pessoais. Eu posso entender, mas, pessoalmente, eu não estou muito apegada aos meus bens materiais. E, na inha vida, ganhei bastante de tempo a ter confiança em vez de estar em desconfiança. Por duas ou três vezes na minha vida onde a minha confiança foi traída, há um número incontável de vezes onde a confiar nas pessoas foi muito bom para mim».

Com GuesttoGuest, ela nunca teve quaisquer problemas e, de qualquer maneira, ela tem suficiente confiança no sistema de caução e verificação de membros para não se preocupar muito.

«*Eu acho que atraimos as pessoas como nós. O balanço é feito instintivamente: escolhemos às pessoas que parecem ser como nos ao ler o perfil, os comentários, olhando as fotos da casa… Às vezes, estamos enganados. mas continua a ser estranhamente escasso. *»

**As Prioridades de Monique em GuesttoGuest: desejo de viajar, gratuidade, casas **

Finalmente, outro grande prazer de Monique, é passar tempo no site para olhar as casas que estão lá.

«*Eu amo as belas casas. é a casa que me faz decidir, mais que a região. Quando um amigo volta da Noruega, onde passou dez anos, bam, eu olho para a Noruega. Eu sou uma fã da Ásia e da Itália, Eu poderia partir todas as quatro manhã em Roma, mas o norte da Europa, é bom demais *».

Para ela, a prioridade, em GuesttoGuest, não é de conhecer pessoas. O motor principal continua de ser o desejo de viajar : Guestto**Guest **não é um site de encontros, são casas que são a questão central. A gratuidade é também um factor importante :

*«Fui contactado por um balinês que tem uma casa de 350 m2 no meio de campos de arroz.Ele, quer vir a Paris dois ou três meses para negócios. E eu, Eu sempre disse a mim mesmo que eu iria viver metade do ano em Bali, uma vez aposentada. **É agora ou nunca! *»

Monique também tem muitas solicitações do Brasil; mas, se lhe acontece de receber pessoas em casa em troca de Guest Points, ela favorece as pessoas com quem ela pode, por sua vez, ir. Não é por isso que ela para de sonhar em frente das casas de Costa Rica ou das pessoas da Califórnia, que colocou seu duplex parisiense em «favorito» e dizer-se : « *Na verdade, talvez que… *»

E, com o sucesso, crescendo de GuesttoGuest, não tem medo que o site perde a sua alma, com 200 000 casas e logo mais ?

«*Eu fiz-me essa pergunta. Mas, surpreendentemente, eu encontrei o oposto : as relação epistolares são melhores do que no início. Mais e mais pessoas fazem textos reais. E as pessoas são mais sensíveis às suas mensagens: no primeiro ano, em dez mensagens, eu tinha apenas duas respostas. Agora, todos respondem! *»

Se a experiência de Monique lhe interessa, faça parte da comunidade GuestToGuest para tirar proveito de todas as nossas casas! Cadastre-se gratuitamente e usa o seu presente de boas vindas de 750 GuestPoints para organizar a sua primeira troca, sem hospedagem alguém em primeiro lugar.

joinguesttoguest-pt_480

Viajia muito. Viaja melhor
Amandine